Degase: Um eufemismo que não ameniza a realidade

A calamidade financeira não é culpa dos servidores
1 de junho de 2018
Atlas da Violência 2018
13 de junho de 2018

Instituto Padre Severino (foto: Divulgação)

 

Em um Estado cada vez mais conhecido pela criminalidade que nos assola, temos aqui uma das políticas públicas mais apartadas da realidade social. Enquanto reina o caos e o desrespeito às Leis, impera a política do eufemismo.

Criaram um termo politicamente correto para quem comete crimes: Ele é o “jovem em situação de conflito com a Lei”. Para estes cidadãos que cometem crimes, seus ataques se transformaram em “atos infracionais”.

Para as sentenças judiciais que são consequências desses crimes, a nomenclatura dada é “medida socioeducativa”. Após serem capturados pela polícia, deixaram de ser presos e passaram a ser apreendidos”.

Após serem presos, apesar dos muros com mais de cinco metros, guaritas, concertinas e policiais nas portarias, estes criminosos não mais são conduzidos aos presídios, pois estes se transformaram em “unidades socioeducativas”. E apesar das grades, barras de ferro e cadeados existentes, eles não irão mais para celas, pois elas viraram “alojamentos”.

Esqueceram de perguntar para o criminoso se ele deseja se ressocializar, mas tudo bem. Segue o reino do faz de conta.

Só que enquanto meia dúzia de autoridades e políticos se promovem e reinam no castelo da demagogia, criminosos entre 12 anos completos e 21 anos incompletos – presos no Degase – continuam as suas carreiras impunemente, seja nas ruas ou dentro das unidades: Assassinatos de Agentes das forças de segurança e cidadãos, latrocínios, estupros, assaltos à mão armada, tráfico de drogas, toda a sorte de Artigos do Código Penal, continuam.

E quem paga por isso é a sociedade, é a segurança pública. Está na hora de caírem as máscaras: Crime é caso de segurança pública. A falta dessa ótica vem causando graves danos à sociedade e aos trabalhadores que garantem os direitos e os deveres destes criminosos presos no Departamento.

Resta saber se o eufemismo vai conseguir amenizar a dor da perda de uma vida, de um bem, de um trauma psicológico, da liberdade desses trabalhadores que foram cerceadas para sempre. A julgar pelos problemas – rebeliões, agressões, fugas, atentados – que perduram no sistema socioeducativo desde a sua criação.

O eufemismo apenas vai fingir que a realidade não existe. Enquanto isso, segue o rei no do faz de conta.

01º junho 2018

João Cardoso, agente de Segurança Socioeducativo e diretor de Divulgação do Sind-Degase

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

3 Comentários

  1. Olias Cezar disse:

    Oportuno e pontual. Entre as mazelas que compõe a ineficácia do sistema socioeducativo, está sem dúvida, o eufemismo para tantas situações. Passou da hora de vermos a realidade como ela realmente é. Talvez, como o texto mostra, se possa pensar soluções reais para problemas reais. Desafios são impossíveis de lidar com abrandamento e/ou distorções de um fato.

  2. Thiago Bentes disse:

    Égua vc falou o que todos nós queremos falar mais nos calamos pois temos medo de sermos peceguidos pelos direitores e membros do tal dos direitos dos manos

  3. Sheila M.Corrêa M.VIana disse:

    Parabéns!!! Apenas a realidade que aflige milhões de brasileiros , e o Poder Público minimaliza e ,pode-se dizer, protege esses adolescentes com essas leis que não punem e nem ressocializam. A verdade é que muitos adolescentes já estão tão arraigados no crime que não querem ser “ressocializados”. Nós , que convivemos , temos a certeza disso, infelizmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *