FHC explica que regulamentar, não é liberar, o uso das drogas

Reformulação da estrutura das polícias, segundo Luis Eduardo Soares
11 de abril de 2017

FHC palestrou com leveza e bom humor sobre tema polêmico (foto: Anderson Sanchez)

 

Fernando Henrique Cardoso palestrou  sobre a importância de se regular o uso das drogas na tarde desta terça-feira (04) na Academia Brasileira de Letras. O acadêmico foi enfático ao mostrar que a repressão não resolve a questão.

A prisão de usuários e pequenos portadores, quase sempre viciados, só aumenta outro problema: o do Sistema Penitenciário. Campanhas educativas e restrições como as realizadas contra o tabaco são exemplos do que pode ser feito.

FHC começou a se informar sobre a guerra às drogas assim que saiu da presidência da República. O ex-presidente acreditava que a repressão à produção seria possível diminuir o consumo e tráfico.

Ele procurou se aprofundar no tema e junto com os ex-presidentes César Gaviria, da Colômbia, e Ernesto Zedillo, do México, e os escritores Paulo Coelho e Mario Vargas Lllosa criaram a Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia em 2008.

Fernando Henrique deixou claro que não é a favor do uso de drogas. Muito pelo contrário. Ele enfatizou que as drogas fazem muito mal e por isso devem ser tratadas sob a perspectiva da Saúde Pública.

O ex-presidente também faz parte da Comissão Global de Políticas sobre Drogas. Ele conheceu políticas no mundo todo e falou sobre algumas delas.

Segundo o ex-presidente, a Europa trata a questão como problema de saúde. Na América Latina, já é uma questão de criminalidade, disputa por território e violência. Nos Estados Unidos há um impasse entre a legalização e a proibição.