Performatividade de Gênero nos Presídios Femininos: entre sapatões de berço, entendidas e mulherzinhas

A Construção da Memória dos Funcionários em suas Relações com o Trabalho no Antigo Instituto Penal Cândido Mendes em Ilha Grande
14 de abril de 2018
Denúncia, Crime e Castigo: o Ciclo da Violência na cidade do Rio de Janeiro
25 de abril de 2018

Performatividade de gênero nos presídios femininos - Monografia de Vanessa Pereira de Lima (Foto: Divulgação / SEAP).

 

Este trabalho nasce a partir de uma pesquisa sobre Conjugalidade e homossexualidade no sistema penitenciário feminino do Estado do Rio de Janeiro. Os poucos estudos existentes referentes a esta área sugerem a invisibilidade da “mulher criminosa” que foge ao padrão de feminino aceito socialmente.

Nesta pesquisa, restringimos ainda mais o olhar minoritário, ao entrevistar internas de unidades femininas que possuem experiência sexual e/ou afetiva com mulheres de três Unidades Prisionais Femininas. Boa parte dxs interlocutorxs não teve dificuldades de falar sobre suas relações, mesmo as que iniciaram tais relações no contexto prisional.

Em geral, as relações são vividas entorno do que elxs denominam de atividade/passividade, muitas vezes, gerando preconceito em casais que não se adequam a este modelo. Os padrões heteronormativos apareceram como parte estruturante das relações e as performatividades de corpo e gênero como um atributo em boa parte delas.

LIMA, Vanessa Pereira. Performatividade de gênero dos presídios femininos: entre sapatões, entendidas e mulherzinhas. Monografia para o Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.