Presos leem nove vezes mais do que a média dos brasileiros – Prevenção

02 – Retrospectiva 2017
16 de maio de 2018
Uso de drogas cai entre jovens na Islândia – Prevenção
18 de maio de 2018

Michael Douglas Jesus Santos, detento de Hortolândia participou do projeto Resenha Livre, parceria da editora Carambaia (Carambaia/Videocubo/Divulgação)

 

Um preso chega a ler três livros por mês, ou 36 livros por ano. A pesquisa inédita foi feita no Distrito Federal. A última pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, divulgada em 2016, mostrou que o brasileiro médio lê quatro livros por ano. Um presidiário na capital do País lê nove vezes mais do que a média do brasileiro.

Em alguns estados como o Rio de Janeiro, existe a remição por leitura. O preso pode ler um livro por mês e, após apresentar um relatório de leitura ou uma resenha, desconta quatro dias da pena da condenação.

A partir deste incentivo, Elisande de Lourdes Quintino, da FUNAP (Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel), conduz um projeto de leitura e produção de resenhas, chamado “Leitura Liberta“, no Complexo Penitenciário de Hortolândia, no interior de São Paulo.

A editora Carambaia, especializada na publicação de livros desconhecidos do mercado editorial brasileiro, encontrou aí a oportunidade de levar suas obras aos “maiores leitores do Brasil”.

Em parceria com o projeto de Elisande e com a Artplan, distribuíram seus títulos entre os presidiários, e publicaram as resenhas produzidas no próprio site.

Além da produção das resenhas, a editora ainda fechou uma parceria com a Videocubo para a produção de um mini documentário, com menos de seis minutos, sobre a importância da leitura para os detentos.

 

 

O diretor de Trabalho e Educação do Centro de Progressão de Pena de Hortolândia, Marcos Antonio de Medeiros, conta que a estratégia funcionou: um dos detentos saiu da sessão de gravação emocionado, contando para ele que nunca se imaginou “dando opinião sobre um livro”.

Direito Capital reproduz a reportagem da Exame, que divulga o projeto da Editora Carambaia, por entender ser o livro a melhor plataforma para orientar ao cidadão a seguir um novo horizonte de vida abrindo mentes e corações.

Sexta-feira, 18 maio 2018

A reportagem completa de Luiza Calegari da Exame pode ser lida em:
Projeto dá visibilidade aos principais leitores do Brasil: os presidiários

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.