Uso de drogas cai entre jovens na Islândia – Prevenção

Presos leem nove vezes mais do que a média dos brasileiros – Prevenção
18 de maio de 2018
Marcados para Morrer
31 de maio de 2018

Parque Olímpico poderia ser aproveitado para programas de inclusão social como na Islândia (foto: André Motta / Divulgação)

 

A Islândia está colhendo os resultados de um investimento iniciado há duas décadas. O país europeu oferece aos jovens artes e esportes como alternativas aos desafios típicos da idade.

Entre 1998 e 2016, a taxa de jovens de 15 e 16 anos que ficaram bêbados nos 30 dias anteriores caiu de 42% a 5%; dos que fumam cigarro todo dia foi de 23% a 3% e dos que provaram maconha foi de 17% para 7%.

O projeto Juventude Islandesa é baseado na tese do “senso comum forçado”. Os jovens preferem atividades extracurriculares em vez de se drogarem. A tese tem como fundamento de que ao se perguntar um jovem o que ele deseja ser no futuro, a resposta não é “ser um viciado em drogas”.

A prefeitura de capital Reykjavik, onde moram 120 mil pessoas, investe seis milhões de euros (R$ 23 milhões) em um trimestre para oferecer 600 atividades para os jovens. Eles proporcionam quadra de futebol, pistas de corrida, academia, piscina e ginásio de artes marciais.

Algumas medidas foram essenciais como incentivar aos pais a passar mais tempo com os filhos e a sugerir que jovens com menos de 16 anos não saiam de casa após as 22h no inverno e meia-noite no verão. Embora não exista punição para quem descumpra o sugerido, os acordos provocaram uma mudança cultural.

Os pais que deixavam os filhos descumprirem o acordo eram mal vistos pelos outros. O que acabou resultando em uma pressão social espontânea que também ajudou no processo. As normas são decididas pelos pais com o apoio da ONG Casa e Escola.

A reportagem da Folha de São Paulo mostra o exemplo do país europeu e que poderia servir para o Rio de Janeiro. Direito Capital aponta o parque olímpico, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, como o lugar ideal para se apostar em um projeto como esse. O mais difícil já está pronto, que é o lugar e as instalações para a prática de esportes. Seria o legado da Olimpíada Rio 2016 para programas de inclusão social e prevenção à criminalidade.

Sexta-feira, 18 maio 2018

A reportagem completa de Diogo Bercito da Folha de São Paulo pode ser lida em:
Incentivo a artes e esportes derrubam uso de drogas entre jovens na Islândia

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.